terça-feira, 10 de julho de 2012

A reportagem de hoje na sic

Quando no dia 01 de Agosto de 2010 entrei nas urgências do hospital, e no CTG não conseguiram ouvir o coração do David, fui logo encaminhada para uma eco, que confirmou a presença de batimentos cardíacos, muito poucos, 36..mas existentes, e lembro-me de gritar, suplicar, para por favor, salvarem o meu menino, que não me importava de que ele ficasse com sequelas graves ou vegetal...(acreditem, gritei isto mesmo no meio do corredor enquanto me despiam para a cesariana,) porque na altura só me importava comigo, com o poder ter a minha beira, vivo de qualquer maneira...e durante muito tempo sofri com isto, com a ideia de que talvez, se tivesse ido mais cedo, ele estaria vivo, com sequelas certamente, mas vivo.....mas hoje, depois de ver a reportagem desta mãe coragem e da sua menina Mel, e de chorar pela minha dor, e pela dor e impotencia daquela mãe, fiquei mesmo de coração despedaçado, porque caí na realidade, de que realmente, e só talvez, seja melhor assim...assim sem o ver sofrer...hoje admiro estas mães, em vez de as invejar por pelo  menos, terem  os filhos vivos ao lado delas...

5 comentários:

liliana disse...

é um grande passo na tua dor.
eu penso que realmente não temos o direito de ficar com um filho assim só porque querwemos um filho mas eu não passei pela tua situação.
admiro-te ainda mais hoje do que sempre te admirei.

beijinho grande.

Maria Pereira disse...

Tb vi essa reportagem e acredita q as lagrimas me vieram aos olhos. Infelizmente tive na familia um caso assim grave, de um menino q (sobre)viveu até aos 10 anos sem andar, sem falar, sem ouvir, a ver muito mal... nem imaginas o q era a vida daquela familia, tinha uma irmã mais velha q se preparava p assumir o "encargo" do irmão qd os pais n pudessem tratar dele... n, n desejo isso nem ao meu pior inimigo e a criança, q vida será a dela, um ser sem autonomia, será q compreende o q é viver realmente??? Tudo isto nos traz muitas interrogações mas acredita q dos abortos espontâneos q tive pensei sp q se era p ter uma criança c problemas, sem duvida q foi melhor assim, apesar de a dor fica sp dentro do nosso peito

Bjs mil

Luna disse...

è mto complicado Célia, não vi Reportagem mas já ouvi falar dela.
tenho cliente que teve filha era autentico vegetal, não falava não ouvia era cega, estava destinada a uma cama, morreu aos 17 anos. essas mães tem coragem enorme alem terem fazer luto do filho perfeito, aceitar esse filho com todas deficiências e limitações que teem, cada dia passa é um renovar de forças.
bjos

Isa disse...

Só hoje vi o resumo que deu no telejornal. Penso que ninguém consegue ficar indiferente a um relato daqueles. Mães coragem que vivem sem saber quantos anos terão na companhia dos seus filhos, vendo-os sofrer diariamente, procurando dar-lhes o máximo em termos de qualidade de vida, que deixam de ter vida própria...
Realmente são dramas de vida!! Ninguém merecia passar por isso...
Minha querida, perder um filho dói muito, não pudeste fazer nada para o evitar, mas não sofras por imaginar que o poderias ter neste estado ao teu lado! Nenhuma criança merece viver assim.
Que pelo menos, esta reportagem te traga mais um pouco de paz de espírito!!
Beijo grande para ti e para os teus dois piolhos!

Taty disse...

Olá, há muito que sigo o teu blog, mas não é hábito fazer comentários. Mas a este não resisti, conheço muito de perto um caso assim. A mãe largou tudo para tratar da menina que tem hoje 12 anos, ali está a princesa dela que não fala, não anda, alimenta-se por uma sonda. Filha única, não saí à rua porque tem poucas defesas, faz fisioterapia todas as semanas. Nem tem a menina qualidade de vida nem os pais. Concordo plenamente com a Isa. Aceita um selinho que está no meu blog como um miminho da minha parte. Beijinhos